quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Calúnia do Rúbio Negrão

Antes de mais nada, gostaria de corrigir o Daniel Oliveira, que por ocasião da Calúnia passada me chamou de “Zico do humor”. Agradeço pela gentileza, mas sou apenas um “Val Baiano do riso”, e olhe lá!

Mas que foi um elogio e tanto, isso foi. O simples uso do nome do Zico enobrece qualquer alcunha, mesmo que seja em “Zico do tráfico”, “Zico da picaretagem” ou “Zico da corrupção”.

Aqui no meu canto, eu ficaria bem mais orgulhoso se eu fosse reconhecido um dia não como o “Zico do humor”, mas como o “Zico do ócio”, porque, como diria o saudoso Bussunda, “Eu tenho um nome a lazer”.

Ressalva feita, voltemos à calúnia propriamente dita (ou melhor, maldita).

Hoje eu gostaria de abordar um problema que se tornou crônico lá na Gávea: o refugo dos nossos juniores, fato que causa a contratação de refugos alheios.

Senão vejamos: pode-se até discutir onde o futebol teve origem, se na China, no Japão, na Grécia ou em Roma, mas um fato é pacífico: o futebol só foi criado para ser praticado pelo Mengão. O Flamengo foi o clube que inspirou a criação do futebol muito antes de ser fundado. Como adversários eram necessários, daí os outros clubes. Por isso, espera-se que, como forma de retribuição, o Flamengo forneça cada vez mais craques para a perpetuação da boa prática desse esporte não-bretão.

Todos se perguntam aonde foram parar os craques que a gente fazia em casa. Por que não surge mais um Adílio, um Leandro, um Andrade, um Mozer, um Júnior? Vá lá, um Ibson?

Tenho cá as minhas teorias. Costumo comparar nossos garotões da base aos jogadores de futebol norte-coreanos: são loucos pra ir pro exterior, mas quando chegam lá, simplesmente desaparecem. Ou alguém se lembra de um júnior nosso que recentemente tenha se destacado em algum time de primeira divisão?

Mas mesmo essa secura de revelações já mostra uma evolução. A safra maravilhosa dos anos 80 vingou no próprio clube. A dos anos 90, bastante aceitável, explodiu em times rivais. Agora, pelo menos, nossos juniores não explodem nem aqui nem ali, nos adversários diretos! É ou não é uma melhora?

Então, vamos às minhas teorias:

Peso da camisa

Existe sim. A camisa do Flamengo pesa. Eu mesmo, quando vou à feira trajando o meu manto sagrado, sinto a responsa. Sei que estou sendo alvo de todos os olhares. Daí, evito dar aquela escarrada no chão, coçar o saco na frente de todos, ou pegar uma laranja quando o dono da barraca não estiver olhando...

Creio que o mesmo ocorra com nossos garotões da base. Maraca cheio, torcida esperançosa, cobranças a caminho, toda a família assistindo...

Mas apesar do peso insustentável de uma camisa já envergada por craques da mais alta estirpe (alguns dos quais estão presentes vendo os garotões levando às costas seus antigos números), há outro fator que pesa ainda mais do que o próprio manto: as jóias!

Brincos, pulseiras, colares, medalhões, óculos escuros, anéis, badulaques, pingentes, berloques e penduricalhos diversos curvam o jovem atleta sob um peso desumano a semana inteira. Obviamente, quando ele entra em campo no domingo, a sua coluna não é a mesma. O seu senso de equilíbrio foi afetado. A sua estabilidade durante um pique deve ser a mesma de uma Kombi 79.

Sem falar que, franzinos como eles só, os 200 gramas da camisa do Flamengo devem lhes pesar muito mais do que a longa história que ela representa.

Peso do empresário

Segundo o Marxismo, “a religião é o ópio do povo”.

Se isso fosse verdade, não teríamos jogador crente fazendo fumaça por aí.

Mas digamos que seja. Nesse caso, pior que a religião é o empresário, que também faz a cabeça da garotada. Pena que seja socialmente tolerado, porque apesar de causar dependência, não é considerado uma droga.

O peso do agente na vida do júnior vai além do psicológico. Empresário é um troço que já pesa por si só. Até ex-atletas, quando viram empresários, se tornam obesos em função de tantos almoços e jantares de negócios.

Aí, quando um empresário enorme de gordo encosta um Bruno Paulo e seus bem distribuídos 58 quilos na parede, e começa a berrar “Tu vai pedir 1 milhão de euros por mês!”, o garoto desaba emocionalmente.

Mas a pior tortura é o bordão jogado na cara do moleque: “A fila anda, rapaz!”

E o garoto sabe que não é da fila do treino físico que ele está falando.

Peso na consciência

Como diria Mestre Alex, “Passarinho que come pedra, sabe o forevis que tem.”

O moleque profissionalizado começa a ganhar um dinheirinho melhor, mas o preço por esse salário é abrir mão da juventude. Agora, titular do Flamengo aos 18 anos, o garotão sabe que tem que regular a bebida, os horários, as amizades, e, principalmente, as palavras que diz para os jornalistas (que só querem o seu bem).

Ora, é sabido que todo esse autocontrole é muito fácil de ser adquirido... lá pelos 40 anos, quando o moleque já pendurou as chuteiras!

Então, a vida do ex-júnior vai continuar a mesma zona de sempre, só que agora com um grande público assistindo. Logicamente, isso faz com que aqueles que possuem uma consciência passem a se sentir incomodados por ela. Saibam vocês que olheiras e cabelos desgrenhados nem sempre são frutos de pileques.

Quando a consciência passa a incomodar, o garoto entra em parafuso, porque sabe que se falhar em ser um jogador de futebol profissional, terá que arrumar um emprego e passar a trabalhar como qualquer outro fracassado.

Pressão da torcida

Há, e todos sabem disso. Só que apesar de (literalmente) dura, a torcida é justa: Zico é idolatrado até hoje porque a torcida não se esquece dos seus feitos. Já certos Vampetas da vida serão lembrados apenas pelos telespectadores que assistirem ao Poker das Estrelas na Band.

A pressão é um algo que cada júnior precisa enfrentar diariamente: há a pressão dos empresários, que exigem que os garotões vinguem depressa porque a alta do dólar não espera, e a janela internacional menos ainda! Tem a pressão daquela Maria Chuteira, que vive grávida e quer se casar de qualquer jeito. E ainda tem a pressão da torcida, milhões de fiscais que sabem onde o cara jantou, quem comeu, e até o sexo de quem foi comido!

Pra não dizer que tudo é tristeza na sua vida, quando o atleta se torna um veterano, com certeza vai se recordar com carinho daqueles tempos em que podia comer à vontade. Imagino, hoje, o Ronabo, se lembrando, com nostalgia, da cozinheira do São Cristovão, dizendo: “Come mais, minino! Ocê precisa encorpá!”

Pressão dos companheiros

“Pô, professor! Todo dia eu levo farinha, ovo e corredor polonês! Por favor, avisa pra eles que meu aniversário só cai no dia 10 de outubro!” – ex-júnior metido a futuro Neymar

Primeiro treino do ex-júnior entre os profissionais. Aí ele pega a bola e dá uma caneta num veterano, que casualmente é o capitão do time e joga na mesma posição que o moleque abusado.

Diante do quadro acima, os outros jogadores simplesmente deixam de meter a bola pro garoto. Vai ficar indo e voltando o treino inteiro, sem receber qualquer passe ou lançamento. Vai terminar o treino fazendo a cobertura de um dos laterais, isso se terminar, porque também pode levar uma bela pregada pra deixar de ser folgado.

Aí eu pergunto: isso é justo? Talvez seja, porque o cara que levou a caneta tem duas ex-esposas nas costas, e precisa renovar muito bem o contrato que está terminando pra poder pagar as duas pensões exorbitantes.

Então, quando todos os novos companheiros profissionais estiverem maltratando o garoto apavorado, entrará em ação o consagrado sistema “tira bom e tira mau”: um jogador irá até ele, amavelmente, ensinar-lhe como a banda toca entre os adultos. Ou seja: “Fica na boa, que ninguém vai te fazer nada. Vai jogando a tua bolinha na paz, sem humilhar ninguém, que você é bom garoto, e vai entrar no time quando a tua hora chegar. Liga não. É que o pessoal aqui baixa a porrada mesmo em quem sacaneia e barra um colega...”

E todo o esquema acima deslindado ocorre tanto sob o mandato de um treinador durão quando o de um treineiro banana. A única diferença é que o banana sabe de tudo, sendo por essa razão assim denominado.

Falta de força física

Pera aí! Garoto que nasce na favela só vai experimentar a sua primeira mamada aos 15 ou 16 anos de idade. Até lá, só se alimenta de mingau de serragem com água de poça, e mesmo assim quando chove! Aí vem o pessoal querer que o cara tenha “força física”?

Porra, o garoto já é um guerreiro só de estar vivo!

Falta de foco

Creio que os nossos problemas acabariam se os juniores recém-promovidos ao time principal encarassem essa honra como uma grande conquista. Só que a impressão que fica é que a subida para o time principal do Flamengo é apenas mais um degrau rumo ao time B do Manchester United, Barcelona ou Chelsea.

Tal distúrbio moral é denominado “falta de foco” ou “excesso de foco”, e acomete principalmente esta nova geração de jogadores flamenguistas imberbes, que provavelmente têm como exemplos de pratas da casa nomes como Marcelinho, Paulo Nunes e Djalminha.

Falta de referências

O ídolo do Zico era Dida. O ídolo do Maicon Santana é Cris Ronaldo. Eu podia parar por aqui, mas como não estou no avarento do Twitter, posso usar quantos caracteres quiser! Lá lálálálálálá lá... eyrfdterhggirifjsweifigotopopgprr. O céu é azul, o mar é verde... Valeu?

Mas voltando ao assunto, do que eu estava falando mesmo? Ah! Então. O melhor álbum dos Beatles foi mesmo “Revolver” e ponto final!

Excesso de preciosismo

Como eu disse acima, antes de irem pro Flamengo, nossos garotões comiam mingau de serragem. Feijão com arroz só em festa de casamento. Nos dias de semana, a base nutricional da galera era o que tivesse dentro do isopor com gelo da cozinha.

Assim sendo, precisamos entender que, para eles, “feijão com arroz” não é sinônimo de coisa simples. “Feijão com arroz”, pros nossos juniores, é coisa chique! Quando o treinador pede que entrem em campo e façam o feijão com arroz, eles entendem que só vale gol de voleio ou de bicicleta! Só querem marcar gols que o Dodô assinaria!

Um treinador politicamente correto saberia passar a mesma orientação na linguagem do boleiro ainda pobre: “Vão lá jogar um mingau naquelas vadias!”

Baixa autoestima

Assim que começa a jogar futebol pelo clube, o garoto passa a conviver com nomenclaturas até então desconhecidas, como “sub-15”, “sub-17”, “sub-19”, “sub-20” e “seu sub-humano!”.

Por que não seleção “sobre-17” ou “sobre-19”? Não daria na mesma?

Somente quando subir para treinar entre os profissionais o garotão começará a ouvir termos mais edificantes, como “top de linha”, “alto nível”, “baita”, etc.

Mas aí já será tarde demais. Com sua baixa autoestima completamente destruída, restará ao jovem profissional torcer para nunca mais ser convocado para seleção brasileira de categoria alguma, por não suportar mais pagar mico.

A solução

Para que não se diga que eu apenas critico, sem oferecer uma solução, aí vai: precisamos de juniores fortes e sadios. Garotos que espirrem com tanta decisão que em vez de “Saúde!”, recebam “Parabéns!”.

Por isso, devemos aproveitar o fato de a nossa presidenta privilegiar os esportes olímpicos para que o jovem, logo que chegar à nossa escolinha de futebol, seja encaminhado para um outro esporte que lhe dê mais solidez. Por exemplo, a luta greco-romana ou mesmo o sumô, para os mais barrigudos.

Depois de um ano praticando somente luta, o nosso menino passará para a maromba propriamente dita, só levantando ferro diariamente por mais um ano.

Em seguida, natação, remo, tiro, bocha e ginástica olímpica... Não, ginástica olímpica não, porque ele já não terá a leveza necessária para a prática desse esporte.

Somente depois de todo esse preparo, o garotão, agora com uns 16 ou 17 anos, entrará num campo de futebol pela primeira vez, aí sim pesando seus 90 ou 100 quilos.

Colocando em prática essa nova filosofia de formação de jovens, ganharemos, quem sabe, um novo Adriano ou um novo Ronabo. Se não der, pelo menos um Montaño ou Cabañas vai sair. Agora, se a safra for muito fraca mesmo, me contento com um Val Bulani. Mas se absolutamente nada der certo com essa garotada, tenho certeza de que pelo menos uns dois ou três Netos vão pintar. E aí, mesmo que fracassem em campo, sempre poderão trabalhar como Reis Momos ou como comerdaristas escrotivos na mírdia paulicha.

Flamengo Net

Comentários